terça-feira, 14 de agosto de 2007

Mulheres

Estou buscando inspiração para algo e me pego pensando no que naturalmente me inspira. Olhares, gestos, palavras, perfumes. Tema de diversos poetas, sua delicadeza pode ser comparada às mais singelas criações divinas, provocando reações diversas, das mais exaltadas às mais puras lágrimas de admiração, não apenas pela beleza, mas pela pureza de sentimentos.

Deus, o criador, ou qual será a forma superior que mantém tudo girando, empregou ingredientes distintos às suas diversas criações, reservando detalhes especiais para as crianças e as mulheres. Estas últimas, inclusive, tiveram por função cuidar daquelas, oferencendo-lhes o ambiente necessário para que conseguissem florecer.

Complexas de uma simplicidade admirável, são únicas em cada detalhe, permitindo surpresas instantâneas mesmo após anos de convivência. Sabendo-as acompanhar, é possível deparar-se com novas belezas a cada dia, dentro de uma mesma, chegando ao ponto de duvidar de que se trata de apenas uma. Analisá-las requer tempo, dedicação, transmissão de confiança para que se mostrem em sua totalidade.

As flores não se mostram em climas desfavoráveis. Os frutos não surgem em meio à adversidade completa, assim como as plantas precisam do ambiente adequado para crescerem. Mulheres, belas em essência, precisam do toque de suavidade ideal para que se mostrem em toda a sua imponência de seres divinos, destinados a suavizar nossas provações com um simples sorriso.

A nós, pobres e exigentes mortais, resta-nos o aprimoramento. É necessário entender que as rosas são belas e perfumadas, mas têm espinhos; não deixam porém sua beleza de lado em função do perigo de nos machucar. É preciso, pois, saber como segurá-las, ampará-las e admirar seus detalhes, porque uma luminosidade diferenciada sempre revela uma característica escondida.

Poder-se-ia discorrer por anos, séculos, e ainda assim faltariam detalhes. Mulheres são seres mágicos, que nos surpreedem por serem como são; mais ainda quando começamos a aprender como são. Obras de arte para serem bem apreciadas necessitam de admiradores capazes de sentí-las. Aos corações ainda cegos para as sutilezas desta matéria, abram-se! Aos olhos ainda turvos diante de tamanha expressão do belo, sensibilizem-se, pois somente com o sentimento é possível sentir o que não se pode ver por completo.

2 comentários:

Sarah disse...

Aflora em um grande ecritor, a sensibilidade do poeta!!!!
Parabéns!!!

alckanso disse...

falar do objeto de inspiração é mais fácil!;)