Nos dias em que nada acontece

Você já reparou como é o marketing da vida perfeita das redes sociais? Se você nunca parou para refletir, enquanto passava os dedos para o lado para o próximo view ou enquanto clicava algum curtiu, volte com mais calma e veja que parece que tudo é adrenalina, realizações homéricas todos os dias, emoção à flor da pele o tempo inteiro e sucesso, muito sucesso.

Se analisarmos de forma crítica, naturalmente temos tendência a buscar um fuga da realidade quando ela não está do nosso agrado, e falando das redes sociais, mudamos das novelas (que tem tempo que não vejo, mas parecia que todos tinham uma vida bela), para os perfis virtuais de sucesso, seja qual for a comunidade que você está acompanhando.

Uma boa parcela desse paraíso vendido nas redes é real, mas não é sobre isso que quero motivar sua reflexão. O que me fez começar a escrever, é o efeito que isso nos causa, sobretudo pela extensão das redes, que são os cursos de "seja top no curso de 2 dias que tenho para você".

Veja bem. Para facilitar a compreensão e materializar a idéia, vamos escolher algo grandioso e, que talvez incomode muita gente, ao ponto de fugir do assunto, e que vai nos dar margem para alguns questionamentos posteriores: o físico humano. Vamos imaginar aquele físico "perfeito" de atleta de palco, e lhe convido a controlar a vontade de expressar uma visão contrária nesse momento.

Para se chegar à "perfeição" de corpos como de Arnold Schwarzenegger, não basta fazer alguns apoios. É preciso genética, boa alimentação, uma rotina absurda de exercícios, treino de poses (para saber valorizar cada ângulo na hora de apresentar os resultados), alguns recursos extra corpóreos que possuem seus efeitos colaterais, conhecimento sobre anatomia, nutrição, biomecânica e outros, além de acompanhamento profissional e tantas outras coisas.

E se você tem tudo isso, mas ainda não tem o resultado, vou puxar um comentário que ouvi esses dias, de um vídeo do Dr. Paulo Muzy, em que ele menciona que o resultado está relacionado a compromisso e consistência, AO LONGO DO TEMPO (coloquei em maiúsculo de propósito).

Voltando ao Arnold, ele contou uma vez que, em uma das suas exibições, alguém comentou que queria se exercitar, mas não queria ficar como ele; "não se preocupe, pois você nunca vai ficar", foi a sua resposta. Em outro documentário, ele foi questionado se não tinha medo de passar mal com tanto exercício. A sua resposta foi que já tinha vomitado e desmaiado várias vezes, porque se alguém quer chegar onde a maioria das pessoas não chegou, precisa fazer algo que essa maioria não faz. Não basta querer, é preciso esforço real.

Talvez aqui você já esteja entendendo a relação de tudo o que eu falei, com o título do texto. A verdade é que as maravilhas que são vendidas nas redes sociais como acontecimentos diários, em que basta estalar o dedo para acontecer, demandam tempo, esforço, dedicação, compromisso e, sobretudo, consistência.

Recentemente eu retomei alguns estudos passados, após mais de vinte anos sem foco principal. Com a maturidade que tenho hoje, minha meta de começar a engatinhar é de pelo menos seis meses, porque entendo que uma casa bem construída precisa primeiro da fundação; e se isso vale para uma casa, o que se dirá sobre uma pirâmide, que vai durar muitos séculos sendo admirada?

O grande risco de engolirmos sem mastigar, a comida que as redes sociais estão nos dando, é dar margem para acreditar que tudo é fácil, rápido e sem esforço, oferecendo terreno fértil para nos desanimarmos, entrarmos em depressão, e abandonar uma caminhada que talvez, com um pouco mais de consistência e tempo, nos levaria justamente naquele objetivo que estávamos buscando.

E aqui quero retomar o ponto em que lhe pedi para controlar sua vontade! "naquele objetivo que estávamos buscando". Quem disse que todos precisamos do físico do Arnold, da fortuna de Warren Buffet, da "felicidade" dos perfis das redes sociais? Quem lhe vendeu essa idéia, e porque você a comprou?

Nos dias em que nada acontece, se você estiver se esforçando, fazendo o que precisa ser feito, dando o passo que precisa ser dado, colocando o tijolo que precisa ser colocado, da melhor forma que pode ser colocado, não é que nada está acontecendo, mas é que você, neste momento, está curtindo a jornada, enquanto caminha rumo ao seu objetivo.

O detalhe é que, como conversava com meu filho ontem, a gente acostuma tanto a ir apressado de um ponto ao outro, que não observamos e não curtimos mais o caminho. Na sua caminhada, haverá uma padaria: pare e tome um café e bata um papo; vai desenvolver relacionamentos, paladar, adquirir conhecimentos. Haverá um cachorro, um gato: pare e aprecie, brinque; vai lhe dar sensibilidade, alegria. Vai haver seus pais, filhos, irmãos, amigos: sente-se e ouça suas histórias; vai lhe dar conhecimentos que não estão nos livros. Isso é parte do alicerce da sua construção.

Nos dias em que nada acontece, é onde a vida está acontecendo, e é aí que está a alegria, a beleza, a riqueza, a prosperidade e o sucesso. Porque quando a caminhada acabar, se você não aproveitou a jornada, o pódium terá um gosto amargo de vazio (e olhando o lado real das redes sociais, você verá vários "sucessos" em depressão, drogas e tantas outras fugas de si mesmo).

Hoje provavelmente é um dia em que nada está acontecendo. Aproveite-o da melhor forma possível, e lhe convido a olhar alguns anos para trás e olhar para si mesmo! Eu não tenho dúvida nenhuma de que, em vários aspectos, você hoje é o sucesso que você buscava naquela época!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça valer a pena

Força interior

Não jogue pérolas aos porcos