quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Motivação

"Motivação é o processo responsável pela intensidade, direção, e persistência dos esforços de uma pessoa para o alcance de uma determinada meta." (Wikipédia) Existem outras definições para o termo, mas esta ajuda a analisá-lo. Ao se pensar em esforços de uma pessoa para atingir uma meta, é preciso refletir sobre as diferentes realidades e vontades das pessoas, que influenciarão na escala de importância relativa das coisas.

Algumas pessoas preferem utilizar-se do esforço físico, ação que causaria fadiga em outros apenas por pensar em fazê-lo. Além disto, se um determinado objetivo não fizer sentido para um indivíduo, será grande a probabilidade de que ele o veja como algo desnecessário, não empenhando esforços para alcançá-lo. Desta forma, a visão das pessoas influencia diretamente na forma como se motivam ou se deixam motivar.

De acordo com as teorias administrativas e comportamentais, não se pode motivar alguém, isto porque a motivação é algo interior, devendo ser gerada pelo próprio indivíduo. Entretanto, é possível criar as condições favoráveis para que ela aconteça da forma esperada ou bem próximo disto. Para isto é necessário entender o contexto socio-econômico em que o indivíduo se insere, além de, principalmente, suas características pessoais e valores, que serão ponto de partida para que consigamos determinar a sua escala de importância com relação aos estímulos externos.

As pessoas são diferentes e ao passo que umas se encantam por estímulos financeiros, a outras ele não passa de um detalhe. Apesar destas diferenças, existe um ponto comum em todos, ligado à satisfação. Quando um indivíduo sente prazer em fazer algo, o faz com empenho, responsabilidade e realmente se entrega ao projeto. Assim sendo, basta que saibamos o que nos dá prazer.

Dada esta argumentação, pode parecer que a motivação se aplica apenas ao ambiente corporativo, devendo ser objeto de estudo dos líderes capitalistas, o que não é verdade. Quando se reflete sobre as relações humanas, sejam elas quais forem, entende-se o motivo de algumas pessoas espelharem alegria, enquanto outras transparecem uma carga aparentemente além do suportado. Fazer o que se gosta exige capacidade de escolha e decisão, mas, apesar dos desafios iniciais, garante a satisfação e uma motivação em alta quase constante.

Ao nos relacionarmos, fazermos nossas escolhas, projetos futuros e toda a gama de relações a que estamos sujeitos, é útil pensarmos por esta ótica. Assim ficará mais fácil agradar aos que nos rodeiam, agradar a nós mesmos e conseguir as coisas de forma mais prática e agradável. A vida não tem que ser complicada, bastando para isto que consigamos acrescentar às realizações a satisfação em alcançá-las. Pense como seria bom se todas as coisas que fossem alcançadas causassem alegria! Isto é possível, basta que você mude o foco!

2 comentários:

Sarah disse...

Na leitura diária deste blog, tenho sempre me surpreendido com a diversidade dos temas e a forma tranquila que o autor discorre sobre os mesmos. São textos 'frugais', mas que nos levam a reflexões profundas. Obrigada por nos oferecer um pouquinho do seu tempo e muito da sua cultura.

alckanso disse...

Agradeço pela colocação. A intenção inicial foi justamente estimular a reflexão, razão que dá nome ao blog. Espero que continue sendo útil.