O medo

Há uns anos eu escrevi sobre esse sentimento; texto simples e curto. Eu costumo pesquisar os assuntos que já escrevi antes de novos textos, mas acredito ser pertinente retomar esse, quase que com o mesmo título (acrescentei apenas o artigo, para diferenciar).

Pesquisei rapidamente algum significado da palavra medo e me foram apresentadas duas possibilidades: a primeira, ligada à psicologia, relatando um estado afetivo ocasionado pela percepção de perigo, ou que motiva essa percepção. A segunda, mais direta, apenas citando um temor ou ansiedade, seja irracional ou com fundamento.

Certos ou errados à parte, e colocando a minha percepção e conhecimento, assim como parte da minha experimentação, sobretudo no tocante à minha própria ansiedade, e também à expressão "percepção", a verdade, pelo menos para mim, é que o medo funciona como uma espécie de freio.

Analisemos a função do freio nos carros. Se você tem um freio que freia demais, o carro não vai andar. Se ele for ineficiente, vai causar acidentes, mas, na medida certa, no equilíbrio, ele é um equipamento fundamental de segurança.

Assim como tudo na vida, o equilíbrio é o segredo da nossa evolução e desenvolvimento. Mas porque esse assunto agora? O objetivo desse blog é motivar a reflexão, como o próprio nome diz, e vivemos em uma época em que o medo está nos fazendo atuar nos extremos, longe do equilíbrio.

Qualquer febre, qualquer espirro, já nos desperta uma sensação ruim, fazendo com que atuemos no lado negativo da segurança do nosso sistema imunológico. Sim, o nosso estado de espírito funciona como uma barreira ou como uma porta de entrada, para as mais diferentes doenças, sejam elas físicas ou psicológicas. Já passei por diversas situações para comprovar na pele esse fato, como um processo cirúrgico que, pelo uso errado do medo, baixou minhas guardas, me deixando muito pior do que eu deveria ter ficado.

O medo é uma doença incontrolável, se você der corda para ela, e, aparentemente, pouco compreendida. A mídia usa o medo de que vai acabar, para lhe fazer comprar; você usa o medo de que talvez não dê certo, para não agir; você usa o medo de que talvez possa morrer, para simplesmente não viver!

Não precisa se atirar em tudo sem analisar, e é nesse ponto o seu lado bom. Sabendo que pode tomar um choque, você vai usar um equipamento de proteção. Sabendo que poderá se contaminar, você vai melhorar sua higiene, vai usar a máscara nesses dias em que precisamos dela.

E como combater essa doença? Vou te dar a receita que tenho usado (ou melhor, alguns passos), e que tem dado muito resultado para mim! Tem comprovação científica? Acho que não. Mas fica a dica, teste, e se não der certo, você sempre pode experimentar outros caminhos até definir o seu próprio.

1) Higienize o que vai ao seu cérebro:

- A mídia em geral se alimenta do que dá errado. Em alguns momentos, se torcer sai sangue. Vai por mim, você não precisa ver todos os noticiários para se informar, e muitas vezes as mídias populares noticiam sem um mínimo de imparcialidade;

- Leia bons livros, escute boas músicas, e não tenha vergonha de negar algum conteúdo, seja ele qual for, mesmo que todo mundo o esteja consumindo;

- Vigie seus pensamentos e exercite a gratidão. Quer ler um livro puro, livre da influência humana? Observe a natureza!

- Não fale das outras pessoas, fale sobre idéias. Vamos fazer uma campanha pela vida: cada um cuida da sua;

- Sabe aquelas pessoas bem sucedidas e felizes das mídias sociais? Será que são?

2) Aproveite o tempo:

- Você tem um hobbie? Não? Deveria! Faça algo que lhe dê prazer e felicidade;

- Aproveite as companhias importantes à sua volta, sejam amigos, parentes, e até mesmo seus animaizinhos (eles têm muito a nos ensinar). Sendo realista, a qualquer momento eles podem não estar mais aqui;

- Medite, reze, tome seu café da manhã e seu banho como se fosse uma oração, sentindo cada momento;

3) Sorria:

- Tem uma frase que li sei lá onde, que sorrir movimenta muito mais músculos na sua face do que ficar de cara fechada. Não sei se isso é verdade, mas posso afirmar que melhora a autoestima, o ânimo, a disposição, diminui a gastrite, contamina as pessoas à sua volta e nos deixa muito mais bonitos e atraentes;

4) Pense sobre o motivo de estar vivo:

- Cada um tem a sua crença; isso é muito particular. Nas minhas reflexões, cheguei ao entendimento de que eu vim para cá para poder melhorar, em todos os sentidos, de forma ampla.

Nessa linha de entendimento, ganhar dinheiro, ter coisas materiais, e até mesmo receber reconhecimento das coisas que faço, passa a ser secundário. Para o mundo, talvez você não seja bem sucedido, mas se hoje você é mais controlado do que foi ontem, se você trata melhor as pessoas do que tratou ontem, você melhorou.

Eu tenho a certeza de que hoje sou muito melhor do que o eu de anos atrás e, nesse entendimento de que vim para me melhorar, consigo colocar uma leveza absurda no meu coração, o que afasta o medo.

Qual é o seu motivo? Qual é o seu porquê de estar vivo? Faça uma reflexão para achar essa informação, porque ela pode ser a mola propulsora que está lhe faltando.


Eu poderia citar muitas coisas mais, que resumo a criar bons hábitos. Cada um vai ter seu caminho e sua caminhada, mas, nesse momento em que estamos aprendendo nas provas práticas o quanto somos frágeis perante a natureza, eu precisava vir aqui compartilhar com vocês que o medo existe, que está aí para nos ajudar ou nos destruir, e quem vai decidir como ele vai agir na nossa vida, somos nós mesmos!

Espero que você encontre o seu ponto de equilíbrio, como eu tenho me esforçado para encontrar o meu!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça valer a pena

Força interior

Para as minhas mães!