Os fins justificam os meios

Será? Sei lá se as orientações ou regras básicas, ou melhores práticas, recomendariam começar um texto com uma pergunta remetendo ao título, mas que seja! Minhas casa, minhas regras, ou algo do gênero. Afinal de contas não devemos cercear a criatividade, sob risco dela se perder, então vou seguir com esse início mesmo!

Estava aqui buscando um assunto que fosse popular para chamar mais visualizações. Analisando as últimas que tive, tenho até dúvidas se não foram todas por mim mesmo, reanalisando meus próprios escritos. A moda é usar as ferramentas tecnológicas para ver o que está na moda e seguir a onda.

Sabia que o Google tem uma ferramenta que analisa as buscas mais frequentes? E aí cheguei à conclusão de que eu não criei esse blog para isso. Quando resolvi escrever, em outras épocas e outras motivações, pelo pouco que me lembro era mais um desabafo (não quero voltar e ler os primeiros escritos para confirmar).

Tenho uma obra inacabada daquela época, algo que poucos sabem e tiveram acesso, mas o fato é que não teve motivo inicial de ser popular; porque então eu faria isso agora? Quais são os fins? Chamar atenção, várias pessoas lerem, ou apenas alguém que se perdeu nas buscas da web acabar aqui?

Eu não farei referência desse texto no Facebook ou outro lugar; não esse. Que venham os curiosos, se existirem, e que se percam nas divagações de um digitador próximo à meia noite, caçando motivos para não dormir. Meus fins são meus, embora eu os divida com alguns.

Assim sendo, os meios são apenas as reflexões que solto ao vento desde 2007, quando foi feita a primeira postagem. Antes disso acho que deve ter saído algo por aí, mas não tenho registro! Mas já que estamos aqui, e por vez citei o assunto ética e moral, vamos analisar a frase?

"Os fins justificam os meios". A frase não é minha e não vou citar o autor, que é famoso. Aguce sua curiosidade e na primeira busca achará o dono. Quem sabe vira trend topic e alguém acha esse texto. Mas, voltando por uns instantes, adotar essa frase de forma bruta avaliza toda e qualquer atitude, quando o objetivo final parece-nos justificável.

Particularmente não concordo com isso, e até acho que não alcançaremos os céus tão cedo pois sou minoria, mas o fato é que eu cresci com o ensinamento de que o meu limite termina onde começa o dos outros, e prefiro passar esse ensinamento à frente, do que avalizar a adoção de qualquer coisa para se alcançar o que se quer.

Meu fim era escrever um texto. Não usei tudo que podia ou não podia, mas filtrei, ponderei, cortei idéias que iam contra a reflexão, e o texto saiu. O fim não justificou os meios, que precisaram ser ajustados, e mesmo assim a obra ficou pronta. E você? Como pensa?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça valer a pena

Para as minhas mães!

Perdoa-te a ti mesmo!