A arte de se conhecer

De acordo com a wikipédia, o termo arte vem do latin "ars" significando técnica ou habilidade. De acordo com eu mesmo e de tudo que venho aprendendo durante 29 anos dessa existência, conhecer significa aprender de forma teórica e prática; mas não assumo esta definição de forma absoluta e irrefutável. A arte de se conhecer, como título sugerido por uma amiga, remete, pois, à idéia sobre o desenvolvimento de habilidades que nos permitam entender de forma profunda sobre nós mesmos.

Parece-me meio teórico demais, ou complexo demais; sim, e muito mais que isto. A teoria precede a prática, pelo menos quando existe a preocupação com um final proveitoso. A prática que antecede a teoria, é repleta de realizações desastrosas, pois as quedas não podem ser evitadas, visto serem parte integrante do aprendizado. É claro que quando se conhece sobre um determinado assunto erros também são cometidos, mas erros em momentos mais complexos, em fases mais adiantadas do processo.

Conhecer-se a si mesmo é algo que exige algumas qualidades humanas que em muitas ocasiões são deixadas de lado, como paciência, honestidade, humildade e ética. É preciso ser moral para se conhecer, sob pena de assumir imagens distorcidas sobre o mundo e aplicá-las ao íntimo. Daí as habilidades, inclusive a de filtrar aparências, que nós mesmos criamos.

Conhecer-se é, antes de tudo, assumir que não nos conhecemos, para que, então, possamos nos observar de forma constante e detalhada, inserindo modificações que nos permitam ir além. A técnica da arte que possibilita nosso conhecimento precisa ser aplicada no dia a dia para que nos lapidemos, pois do contrário conheceremos apenas o superficial, pois a essência não aparece a priori.

A arte de se conhecer é algo que não termina; não tem começo e não tem fim, porque com o tempo começamos a entender que seria ilógico partir de nenhum lugar e chegar a lugar algum. Conhecer-se a si mesmo, permite entender o todo, assim como o nosso papel no meio, compreendendo que apenas se conhecer não é arte, mas egoísmo e solidão.

Que possamos refletir sobre nos mesmos, procurando não apenas descobrir nossos motivos interiores, mas entender de onde eles surgiram e quais são suas causas de nascimento. Somente assim, depois de muito tempo, entenderemos porque somos, para que somos e que não somos somente, mas exercemos nosso papel dentro de algo que ainda não podemos compreender, porque, entre outras coisas, ainda não nos conhecemos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça valer a pena

Para as minhas mães!

E se! - Texto Motivacional