quarta-feira, 9 de julho de 2008

Caminhos

A vida nos leva para rumos que às vezes não compreendemos; levamos a vida para caminhos que não esperávamos, sendo surpreendidos por atitudes inesperadas. Escolhas, decisões, pessoas e situações; coisas que vão passando pela nossa tela interativa diária, que nos permitem crescer de forma mais rápida ou mais lenta, apressando às vezes o dinamismo com que nos tornamos seres mais puros.

Caminhos existem muitos, através dos quais alcançamos os nossos objetivos, embora seja imperativo, primeiramente, que eles existam. Não se pode chegar no final, sem definir qual será ele; ou melhor, é possível, mas qualquer um parecerá satisfatório, sendo, ao mesmo tempo, qualquer um deles o final não desejado.

Nossas insatisfações, nossas reclamações de nós mesmos, na maioria dos casos não passam de desconhecimento do que somos e, principalmente, do que pretendemos ser. Não traçamos um rumo provável, com coisas desejáveis e, quase sempre, quando o fazemos não nos colocamos com a postura adequada para que nossas conquistas aconteçam.

Abandonamos ideais, deixamos de lado nossos anseios, nossas inspirações, nossos motivos interiores, reflexos de nós mesmos, necessários para o nosso eu. Colocamo-nos em uma jaula virtual que nos impede de ser, e que nos condena a uma rotina desgastante, onde o desgaste afeta não o nosso físico, mas o que ia dentro do nosso coração. Adormecemo-nos, e o que era possível realidade, torna-se sonho inalcançável.

É preciso mudar, é preciso escolher, é necessário que sejamos nós. Libertemos o eu, para que ele consiga existir em sua plenitude, arriscando nosso comodismo em prol de nós mesmos. Nossa zona de conforto desconfortável precisa ser deixada para trás, transformando-se em história; contos futuros do passado quando colocaremos nossas vivências para os que virão.

Assim estaremos no caminho, nos caminhos que a vida nos trás e que podemos escolher, ou não, a forma como serão percorridos. Decidir, mais importante do que escolher, é levar adiante as metas propostas, para que possam se transformar em coisas prontas, que trarão, independente do resultado, frutos de crescimento e desenvolvimento.

Nenhum comentário: