terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Democracia

Etimologicamente, democracia significa governo do povo (DireitoNet). Na prática, seja pela falta de teoria, seja pela não aplicação dela, estamos longe disto, colocando interesses pessoais à frente de interesses coletivos. Digo "estamos", porque não há muitas exceções; assumimos cargos representativos e esquecemo-nos de pensar no todo.

Primeiramente, quando se fala em representar alguém, é preciso pressupor que os interesses primários serão os do representado; nunca da pessoa que representa. Neste contexto, só se permitiria pensar no eu se fosse benéfico para o grupo. Isto pode ser facilmente mesclado com a concepção de governo, Estado e tantas outras definições ligadas ao público.

Existe uma confusão generalizada neste ponto, pois para a maioria, para se ter democracia, basta que todos tenham opção de voto. O voto, inclusive, que já foi ferramenta de manipulação pelos coronéis, e continua sendo, agora pelos programas sociais, é algo que é, no mínimo, sub-utilizado. Não basta ter um título de eleitor para se ter voz, como induzem as propagandas eleitorais; é imperativo que se saiba tomar decisões.

Como tomar decisões sem conhecimento de causa? Como escolher sobre o que é melhor para a maioria, e não apenas para mim, se o pouco que chega aos meus ouvidos não é nada além de dados manipulados? Será que conseguirei filtrar informações de forma crítica sem um mínimo de teoria necessária a este filtro? A resposta é não, sem discussões.

Não basta saber assinar o nome para constar na lista de votação. Conhecimentos básicos, como sociologia, filosofia, política, e tantos outros, não são apenas matérias de utilização isolada, restritas à elite que lê; é preciso que todos leiam. Essas matérias, a exemplo de um curso de graduação, não ensinam a fazer, mas dão a base necessária para alcançar postos mais altos do conhecimento, pela busca individual de seres mais preparados.

É preciso que entendamos que as reflexões, para serem realizadas de forma consistente e com um mínimo de argumentação, precisam de base de conhecimento, mas com qualidade. E aqui voltamos a um dos setores com excesso de problemas em nossa nação: a educação. Saúde, segurança, participação política, e por aí vai; setores sociais resultantes do comportamento dos seres humanos, que quanto menos educados, menos éticos, menos aptos a viver em sociedade.

A democracia, desta forma, não pode ser apenas um governo do povo, mas antes precisa ser uma preparadora do povo para que este possa ser. Governar, muito mais do que representar ou conduzir, como tem sido feito, precisa ser pensar pelo grupo, agir em prol dele, administrando o que lhe cabe de forma a garantir uma evolução geral, muito diferente dos avanços isolados a que temos acompanhado. Assim, naturalmente, sem tanta contendas, conseguiremos diminuir e eliminar as diferenças, sejam elas quais forem.

Nenhum comentário: