segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Família

Uma família é como uma empresa. Juntam-se dois sócios, resolvem construir algo juntos, surgindo disto algum produto, bom ou ruim. Parece um jeito meio frio de se fazer referência a algo tão importante mas, afinal de contas, tem gente que a chama por instituição. A verdade é que falta a muitos a esperança necessária neste grupo, que ajudaria tanto a corrigir vários dos nossos problemas.

Engana-se quem acha que a educação começa na escola. A criança vai para os bancos letivos quando já tem uns três ou quatro anos, assimilando muita coisa antes disto. Seus conceitos primeiros sobre relacionamento, sociedade, carinho, amizade e tantos outros surgem das impressões que têm daqueles que são seus contatos logo após seu nascimento.

Os pais, assim como os irmãos e outros parentes, têm assim uma responsabilidade fundamental em formar não apenas a base de conhecimento de uma pessoa, mas o seu caráter. Por mais informações que alguém tenha, elas não serão capazes de tornar uma pessoa íntegra, correta, se isto não vier do início. Em alguns casos acontece uma auto-reflexão que gera uma mudança mas, geralmente, o modo de ser é algo transmitido desde o berço.

A família não é algo falido, porque senão já teria deixado de existir. Ainda vemos muitas bem estruturadas, e outras nem tanto, e como nas empresas, o produto fica melhor ou pior fruto desta organização, deste planejamento e do clima melhor ou pior que se instala em função das várias decisões que precisam ser tomadas. Como nas organizações, quando falta dinheiro a coisa pode ficar ruim, desde que haja o despreparo necessário para isto.

Realmente dinheiro não é a causa de tudo. Assim como sexo em um relacionamento, é apenas um termômetro, capaz de testar o preparo dos envolvidos em se manter tão maduros quanto se dizem, mostrando aos que os assistem como lidar com estas situações difíceis. Neste caso, os espectadores são filhos em constante aprendizado, levando para a sociedade as várias lições que tiveram, boas ou não.

Portanto a família é uma escola, sem os bancos e os livros, mas que estimula a ler, a ser e a querer melhorar as coisas. Não só foi, como continua sendo a instituição mais importante da sociedade, cuja base não tem que ser religiosa, como se acreditou muito tempo, mas moral e ética, algo que transcende as crenças dirigidas pelos homens. Assim, quando constituir uma família, tenha a consciência de que vários dependerão de você e de seus exemplos, e tenha a certeza de que eles serão propagados; bons ou ruins.

Nenhum comentário: