quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Primeiros e primeiras

A vida é feita de momentos, de situações construídas e que geram sensações boas, ruins e até mesmo um misto das duas. Algumas delas marcam, como as primeiras palavras e os primeiros passos. Cenas que se repetem ao longo dos anos e se fazem corriqueiras, de forma que só as notamos com a mesma mágica da primeira vez quando não as podemos ter tão facilmente.

Primeiros e primeiras. Situações, pessoas, conquistas e mais uma infinidade de coisas que aparecem aos nossos sentidos pela primeira vez; sim, ao sentidos. O primeiro perfume, a primeira cor, a sensação de pisar a areia da praia pela primeira vez. Nada é tão bom quanto no início, quando estamos educando nossos sentidos para as novas percepções!

As dores: um ralado no joelho, um dente que cai e vira lembrança, uma perda de um ente querido. Doces lembranças de que também aprendemos na forma de dificuldades. Doces? Sim, mas somente depois que aprendemos a vê-las como aprendizado, o que demanda tempo. Até lá ainda as temos como ruins, mas ainda assim podem ser as primeiras de várias, de muitas e de outras situações que, aí então, serão vivenciadas com a maturidade adquirida, dispensando as reclamações das dores iniciais.

Pensando assim, chega-se ao fato de que as primeiras coisas são, se não as melhores e mais prazerosas, as que despertam as mais intensas sensações. Dedução interessante, se colocada em prática. Como dizia algo por aí "viva sua vida como se hoje fosse seu último dia, porque um dia você acerta". Trágico, mas profundo! Porque não modificar um pouco a frase?

Viva todos os seus momentos como se estivessem acontecendo pela primeira vez, porque, assim, talvez você consiga vivê-los com a profundidade de uma criança que dá seus primeiros passos. Está bom! Ficou grande e não se parece tanto com a outra, mas também tem profundidade.

Diz-se que um mesmo homem nunca se banhará duas vezes no mesmo rio, porque o rio não mais será o mesmo rio, assim como o homem não será o mesmo homem. Diante disto, o que são nossas experiências se não as primeiras, mesmo que novas? Um beijo não será o mesmo, mesmo com a mesma pessoa, e daí a possibilidade de se viver décadas com alguém e se encantar sempre.

Conquistar alguém pela primeira vez é fácil, sendo difícil conquistá-la todos os dias seguintes. Assim é a vida e assim são nossas sensações e vivências; todas primeiras. Olhe para a lua, para as pessoas, para si mesmo! Perceba que tudo mudou e continua mudando, e que considerando-se algo como primeiro, as barreiras contra as sensações serão retiradas.

Machuca? Talvez. Mas a dor causada pelos espinhos de uma rosa não é maior do que a admiração inicial com a sua beleza, seu perfume e a certeza de que ela existe! Sejamos primeiros, façamos continuas primeiras vezes, na certeza de que, abertos ao mundo como as crianças, conseguiremos entender o motivo de sua alegria, ternura, e sábia ingenuidade!

Nenhum comentário: